sábado, 15 de novembro de 2014

Carro elétrico bate recorde mundial de aceleração

O carro elétrico da Fórmula Estudante chega a 100 km/h de velocidade em apenas 30 metros

Chamado Grimsel, o carro elétrico foi projetado para a Fórmula Estudante por uma equipe da Universidade de Lucerne e da Escola Politécnica de Zurique (ETH), na Suíça.
Segundo o site Inovação Tecnológica, o carro elétrico construído por estudantes bateu o recorde mundial de aceleração. O veículo acelerou de 0 a 100 km/h em 1,785 segundo.
Isto significa que o carro já estava a 100 km/h de velocidade depois de percorrer apenas 30 metros.
Nenhum carro atualmente em produção no mundo consegue atingir uma aceleração similar.
O Grimsel foi projetado e construído em menos de um ano por uma equipe de 30 estudantes. Feito principalmente de fibra de carbono, o carro elétrico de competição pesa apenas 168 kg.
Ele tem tração nas quatro rodas, com um motor em cada roda, gerando um torque total de 1.630 Nm. Os quatro motores produzem cerca de 200 hp (147 kW).
Um controle de tração se incumbe de distribuir o torque individualmente para cada roda, para maximizar a aceleração do veículo.

Fonte da matéria: Inovação Tecnológica

domingo, 2 de novembro de 2014

Toyota vai exportar compacto Etios para Uruguai e Paraguai

2.500 veículos são exportados mensalmente para o mercado argentino

A fábrica da Toyota em Sorocaba, interior de São Paulo, vai iniciar as exportações do compacto Etios para o Uruguai e Paraguai.
"Queremos consolidar a unidade de Sorocaba como uma base de exportação", celebra Koji Kondo, presidente da Toyota do Brasil.
Uma cerimônia na última sexta-feira (31) na unidade paulista, localizada a 100 km de São Paulo, marcou o início do projeto da montadora japonesa de expandir sua presença em outros mercados da América Latina. Os dois países passam a receber o Etios hatchback em sua versão XLS a partir do mês de novembro; as vendas começam em dezembro.
A previsão inicial da montadora é embarcar 500 carros por ano, sendo 300 veículos para o Paraguai e 200 ao Uruguai. Segundo a empresa, a configuração de equipamentos do Etios foi adaptada com o objetivo de atender as preferências dos consumidores locais. Ainda de acordo com a empresa, o Uruguai receberá a versão gasolina, enquanto que o Paraguai terá a versão bicombustível (álcool e gasolina) - é a primeira vez no mundo que a Toyota exporta um modelo flex.
A planta de Sorocaba já exporta o compacto para Argentina, informa Frank Peter Gundlach, diretor de pós-venda. "Mesmo com a crise econômica, o Etios vende muito bem na Argentina, alcançando uma participação de mercado de 10%. Por conta disso e observando a demanda nestes dois novos mercados, acreditamos no sucesso das vendas", disse Frank, em entrevista ao G1 da Globo.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Workshop de Comunicação e Expressão Corporal com Paulo Paiva

Sábado dia 06 de dezembro, participe e surpreenda-se

2º WORKSHOP COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CORPORAL COM PAULO PAIVA!!!!

Quem ainda não participou será uma grande oportunidade de autoconhecimento e compreensão da Linguagem Corporal.
Para quem já participou será um segundo ciclo de mais conhecimento, estimulando uma visão e percepção mais integrada sobre suas características e comportamentos.

Vagas Limitadas 
Contato: 15. 3342.3606 15. 99690.9252
E-mail: carolina@contextogestaoempresarial.com.br
www.contextogestaoempresarial.com.br


terça-feira, 21 de outubro de 2014

Toyota é a marca de veículos mais valiosa do mundo; veja o ranking

Apple ficou na liderança do ranking global

A Apple e o Google são as duas marcas mais valiosas do mundo, segundo lista divulgada pela Interbrand. É o segundo ano consecutivo que as empresas ocupam as duas primeiras colocações na lista "The Best Global Brands", que inclui 100 marcas. A primeira posição é da Apple, que aumentou seu valor em 21% em relação a 2013, para US$ 118,8 bilhões. O Google manteve a segunda posição, com crescimento de 15%, avaliado a US$ 107,4 bilhões.
A terceira colocação, assim como em 2013, é da Coca-Cola, avaliada em US$ 81,5 bilhões.
A Toyota é a marca mais valiosa da indústria automotiva mundial, segundo ranking divulgado nesta quinta-feira (9) pela consultoria Interbrand.
Avaliada em US$ 42,39 bilhões, a japonesa ficou em 8º lugar na lista geral, logo à frente da rede de alimentação McDonald's.
Outra fabricante de automóveis a figurar no Top 10 mundial é a Mercedes-Benz, que ficou em 10º lugar, com US$ 34,3 bilhões, seguida de muito perto pela rival BMW (11º), com valor estimado de US$ 34,2.

Ranking da indústria automotiva mundial

domingo, 19 de outubro de 2014

Japão fabrica seu primeiro jato comercial

Jato usa um quinto a menos de combustível do que aviões similares

A Mitsubishi Aircraft lançou neste sábado o primeiro jato comercial do Japão em meio século, com plano de vender mais de 2 mil aeronaves num mercado altamente competitivo.
Desenvolvido por uma subsidiária da Mitsubishi Heavy Industries tem a Toyota como acionista, o jato regional de US$ 42 milhões de dólares, com menos de 100 assentos, é o segundo lance do Japão para entrar no mercado de aviões comerciais.
"Este tem sido um sonho de longa data que todo o Japão esperou", disse o presidente da Mitsubishi Heavy, Hideaki Omiya, numa fábrica em Nagoya, o local do lançamento, há 75 anos, do protótipo de um avião de combate da Segunda Guerra Mundial.
A cerimônia começa uma corrida para completar os testes de vôo antes da primeira entrega da aeronave em junho de 2017 para a ANA Holdings. A meta já está três anos atrasada em relação ao inicialmente planejado.
O Japão falhou em sua última tentativa de entrar no mercado de aviões comerciais em 1960, com um turboélice de 64 lugares apelidado o YS-11. Apenas 182 aviões construídos por um consórcio que incluiu Mitsubishi Heavy já foram feitas.
Agora, a Mitsubishi já tem 191 pedidos firmes de clientes incluindo US grupos regionais Trans States Holdings e SkyWest , e Japan Airlines.
Analistas dizem que o número é menor do que as centenas de aviões que precisa vender para chegar ao lucro e muito atrás do que precisa para competir com a líder de mercado, a brasileira Embraer.
O maior argumento de venda do MRJ, diz a Mitsubishi, é sua capacidade de usar um quinto a menos de combustível do que aviões de tamanho similar, graças a motores de nova geração da Pratt & Whitney, subsidiária da United Technologies.
O orçamento para desenvolvimento é de cerca de US$ 1,8 bilhão dólares e inclui custos dos atrasos até agora.
Mitsubishi, que também quer desafiar a canadense Bombardier, estima demanda por 5 mil jatos regionais nos próximos 20 anos, dos quais pretende capturar metade.
O problema da Mitsubishi é o volume acima de mil encomendas de aviões da Embraer, junto com uma reputação estabelecida de financiamento, confiabilidade e serviço pós-venda, disse Richard Aboulafia, vice-presidente de análise da consultoria Teal Group.
Após o MRJ entrar em cena, a Embraer disse que vai atualizar seu E-Jets com os mesmos motores Pratt & Whitney eficientes sob o nome E2, e serão entregues a partir de 2018 um ano após o MRJ.
A Mitsubishi tem mais chance de deslocar Bombardier, que tem grande aposta no desenvolvimento de suas CSeries para entrar no mercado de aeronaves de 150 lugares à custa de seus jatos regionais CRJ, disse Aboulafia.
Competências obtidas no programa YS-11 levaram a Mitsubishi Heavy e outras empresas a forjar laços com a Boeing, passo importante para o retorno de uma indústria desmantelada durante a ocupação americana após a Segunda Guerra Mundial.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Curso Rotinas de Folha de Pagamento com Priscilla Noronha

Aulas terão início no dia 07 de Outubro, garanta seu lugar

Objetivo: Oferecer aos participantes conhecimentos práticos para a execução rotinas de administração de pessoal com base na legislação trabalhista e previdenciária, visando atender as necessidades operacionais da organização e cumprir as obrigações legais.

Público alvo: Pessoas interessadas em adquirir conhecimentos ou se atualizar sobre os temas abordados no conteúdo programático mencionado.

Carga Horária: 18 horas

Dias: 07/10, 09/10, 14/10, 16/10, 21/10 e 23/10

Investimento (inclusos material didático e certificado):

R$ 600,00 a vista ou em 03 parcelas de R$ 210,00 no boleto bancário (ato+30+60)

Local: SELF Coaching e Desenvolvimento Ltda. – Rua Francisca de Queiroz, 138, Conj. 3 – Mangal,

Sorocaba/ SP (referências: rua do restaurante Forno 115; em frente ao Botequim da Francisca, paralela de cima do teatro do Sesi Sorocaba).

Informações e Inscrições: 
Telefone: (15) 3033.2347/ 9-9749.6947/ fernanda.kubota@selfcd.com.br

PROGRAMA

- Folha de Pagamento

Considerações gerais
Obrigatoriedade
Informações obrigatórias
Parametrização e estrutura de cálculo da folha de pagamento

- Eventos

Formas de salário
Remuneração
Parcelas que não integram a remuneração
Adicionais horas extras, noturno, insalubridade, periculosidade etc.
Férias normais e coletivas
Férias com Licença Remunerada (Dias Úteis/Dias Não Úteis)
Gratificações,
Descontos permitidos
Contribuições sindicais
Pensão alimentícia
Vale transporte
Salários família e maternidade
Pagamento dos salários
Prazo
Contagem do prazo para pagamento
Recibo de pagamento
Utilização via bancária condições essenciais
Elaboração da folha de pagamento exercícios práticos e simulação de casos
Contribuições dos segurados: empregado, trabalhador avulso e contribuintes individuais

- Encargos sociais: Contribuições para seguridade social

- FGTS

Contribuição para FGTS
Depósito para o FGTS
Parcelas excluídas da Remuneração
Parcelas que compõem a remuneração
Demais situações em que é devido o depósito
Prazo para recolhimento
Forma de recolhimento

- IRRF

Introdução
Salário
Adiantamento salarial
Férias
Décimo terceiro salário
Rendimentos isentos para efeitos de imposto de renda
Deduções permitidas da base de cálculo do imposto de renda
Exemplos de cálculos de imposto de renda sobre salários
Exemplos de cálculos de imposto de renda sobre férias
Exemplos de cálculos de imposto de renda sobre décimo terceiro salário
Exemplos de cálculo de imposto de renda na rescisão de trabalho
Dispensa da retenção na fonte

- Horas Extras, Faltas, Atrasos e Saídas Antecipadas

- Cálculo de médias

- Descontos Legais e Convencionados

Tributação mensal, Contribuição Sindical, Vale-transporte e outros
Adiantamentos e Empréstimos
Danos causados, ressarcimentos e compensações
Descontos do mês anterior

- 13º salário (Resumo, Totalizadores e Bases de cálculo)

• Primeira e segunda parcela

• Adicionais variáveis

-  Rescisão

Aviso prévio indenizado
Aviso prévio trabalhado
Término de contrato
Justa Causa
Guia GRRF

sábado, 27 de setembro de 2014

Como funciona a Energia Eólica?

Furnas apresenta a tecnologia responsável pela geração de energia pelo vento

A energia eólica, produzida a partir da força dos ventos, é abundante, renovável, limpa e disponível em muitos lugares. Essa energia é gerada por meio de aerogeradores, nas quais a força do vento é captada por hélices ligadas a uma turbina que aciona um gerador elétrico. A quantidade de energia transferida é função da densidade do ar, da área coberta pela rotação das pás (hélices) e da velocidade do vento.
A avaliação técnica do potencial eólico exige um conhecimento detalhado do comportamento dos ventos. Os dados relativos a esse comportamento - que auxiliam na determinação do potencial eólico de uma região - são relativos à intensidade da velocidade e à direção do vento. Para obter esses dados, é necessário também analisar os fatores que influenciam o regime dos ventos na localidade do empreendimento. Entre eles pode-se citar o relevo, a rugosidade do solo e outros obstáculos distribuídos ao longo da região.

Para que a energia eólica seja considerada tecnicamente aproveitável, é necessário que sua densidade seja maior ou igual a 500 W/m2, a uma altura de 50 metros, o que requer uma velocidade mínima do vento de 7 a 8 m/s (GRUBB; MEYER, 1993). Segundo a Organização Mundial de Meteorologia, o vento apresenta velocidade média igual ou superior a 7 m/s, a uma altura de 50 m, em apenas 13% da superfície terrestre. Essa proporção varia muito entre regiões e continentes, chegando a 32% na Europa Ocidental. Saiba tudo sobre a energia eólica no site do Ministério do Meio Ambiente.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Curso Rotinas de Folha de Pagamento com Priscilla Noronha

Aulas serão no fim de Agosto e Início de Setembro, confira a programação

Objetivo: Oferecer aos participantes conhecimentos práticos para a execução rotinas de administração de pessoal com base na legislação trabalhista e previdenciária, visando atender as necessidades operacionais da organização e cumprir as obrigações legais.

Público alvo: Pessoas interessadas em adquirir conhecimentos ou se atualizar sobre os temas abordados no conteúdo programático mencionado.

Carga Horária: 16 horas
Dias 23, 30/08, 06 e 13/09, das 08h00 às 12h00
Investimento (inclusos material didático e certificado):
R$ 590,40 a vista ou em 03 parcelas de R$ 206,64 no boleto bancário (ato+30+60)

Local: SELF Coaching e Desenvolvimento Ltda. – Rua Francisca de Queiroz, 138, Conj. 3 – Mangal,
Sorocaba/ SP (referências: rua do restaurante Forno 115; em frente ao Botequim da Francisca, paralela de cima do teatro do Sesi Sorocaba).
Informações e Inscrições: Tel: (15) 3033.2347/ 9-9749.6947/ fernanda.kubota@selfcd.com.br

PROGRAMA
- Folha de Pagamento
Considerações gerais
Obrigatoriedade
Informações obrigatórias
Parametrização e estrutura de cálculo da folha de pagamento
- Eventos
Formas de salário
Salário complessivo
Remuneração
Parcelas que não integram a remuneração
Adicionais horas extras, noturno, insalubridade, periculosidade etc.
Férias normais e coletivas
Férias com Licença Remunerada (Dias Úteis/Dias Não Úteis)
Gratificações,
Descontos permitidos
Contribuições sindicais
Pensão alimentícia
Vale transporte
Habitação, alimentação, cesta básica, assistência médica
Salários família e maternidade
Pagamento dos salários
Prazo
Contagem do prazo para pagamento
Recibo de pagamento
Utilização via bancária condições essenciais
Elaboração da folha de pagamento exercícios práticos e simulação de casos
Contribuições da empresa
Contribuições dos segurados: empregado, trabalhador avulso e contribuintes individuais
Contribuições para outras entidades (classificação no FPAS e códigos)
Contribuições para o RAT (classificação e códigos)
Fator Acidentário de Prevenção (FAP)
Contribuições sobre os valores pagos a cooperativas de trabalho

- Encargos sociais: Contribuições para seguridade social

- FGTS
Contribuição para FGTS
Depósito para o FGTS
Parcelas excluídas da Remuneração
Parcelas que compõem a remuneração
Demais situações em que é devido o depósito
Prazo para recolhimento
Forma de recolhimento
Finalidade da GFIP
Obrigatoriedade de apresentação
Comprovante de entrega
Prazo de guarda da GFIP
Penalidades

- IRRF
Introdução
Salário
Adiantamento salarial
Férias
Décimo terceiro salário
Participação nos lucros ou nos resultados aos empregados
Demais proventos recebidos
Rendimentos isentos para efeitos de imposto de renda
Pró-labore
Deduções permitidas da base de cálculo do imposto de renda
Exemplos de cálculos de imposto de renda sobre salários
Exemplos de cálculos de imposto de renda sobre férias
Exemplos de cálculos de imposto de renda sobre décimo terceiro salário
Exemplos de cálculo de imposto de renda na rescisão de trabalho
Dispensa da retenção na fonte
Obrigatoriedade da entrega da DIRF
Como as informações deverão ser informadas na DIRF
Multa por atraso ou incorreções na DIRF
Salário-Família e Salário-Maternidade
Afastamentos por incapacidade e a complementação de auxílio-doença
Tratamento dos afastamentos previdenciários na folha

- Horas Extras, Faltas, Atrasos e Saídas Antecipadas
- Cálculo de médias
- Provisões

- Descontos Legais e Convencionados
o Tributação mensal, Contribuição Sindical, Vale-transporte e outros
o Adiantamentos e Empréstimos
o Danos causados, ressarcimentos e compensações
o Descontos do mês anterior

- 13º salário (Resumo, Totalizadores e Bases de cálculo)
• Primeira e segunda parcela
• Adicionais variáveis
• Modalidades de cálculos

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Habib's inaugura unidade na Avenida Itavuvu em Setembro

Inauguração é reflexo do crescimento da marca na cidade

A maior rede de fast-food árabe do mundo, o Habib’s, inaugura mais uma loja na cidade de Sorocaba, na Avenida Itavuvu, 3145.
A avenida liga o centro à zona norte da cidade, onde o desenvolvimento está em alta. A nova unidade está situada entre a famosa Havan e o Shopping Cidade.
De acordo com o franqueado Paulo Gabrielli, a loja terá 2.200 metros, com um padrão ainda superior à unidade do Wanel, com um novo padrão, um novo conceito de mobiliário, fachada e atendimento, uma loja muito mais moderna. Contará com um salão para 200 pessoas, sistema de drive thru, delivery e balcão para viagem. O Habib’s Itavuvu trouxe para a região mais 100 novas vagas de emprego, para diversos cargos, em 2 turnos de trabalho.
"Sou franqueado da unidade do Wanel Ville, uma unidade inaugurada em 21 de Novembro de 2013, viemos para Sorocaba para mudar o conceito da rede Habib's frente ao Sorocabano, uma loja moderna, com mobiliário diferenciado, a própria cor da loja quando você vê ela de fora, já vê ela toda na cor vermelha, um atendimento diferenciado, e agora estamos acreditando na Zona Norte, na Avenida Itavuvu, no seu potencial", diz o franqueado.
"A inauguração está prevista para o dia 18 de setembro. O horário de funcionamento ao público será das 11hs à 0hs diariamente, oferecendo um cardápio com preços acessíveis e também almoço. Atenderemos  a toda a Zona Norte também pelo nosso sistema de delivery", completou Paulo.

Habib´s
A história da maior rede de fast-food brasileira e maior rede de fast-food árabe do mundo começa em 1988, com a primeira loja inaugurada em São Paulo.
O sistema inovador de franquias, os preços acessíveis e o conceito de alimentos padronizados com qualidade, logo se destacaram no mercado, conquistando mais e mais clientes.
Movida a empreendedorismo, inovação e paixão, a empresa construiu uma história de sucesso que conquistou vários prêmios ao longo dos anos, além de ser reconhecida pelo elevado nível de capacitação de seus profissionais e alto índice de aprovação por parte dos consumidores.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Super Simples passa a valer para mais de 9 milhões de empresas

A lei também simplifica os procedimentos para abrir e fechar pequenas empresas

Segundo a Veja, a presidente Dilma Rousseff sancionou nesta quarta-feira a nova lei do Simples, que simplifica e reduz a tributação para micro e pequenas empresas de 140 segmentos de negócios. Cerca de 9 milhões de companhias poderão se beneficiar da norma, que reduz em até 40% a carga tributária e unifica oito diferentes impostos em uma única alíquota.
A atualização da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa também permitirá que 450 mil empresas de serviços, como firmas de advocacia, médicos, dentistas, jornalistas e fisioterapeutas passem a ser beneficiárias do novo regime. Estas empresas não eram consideradas pequenas porque a lei anterior não contemplava as prestadoras de serviços e as atividades intelectuais. O novo regime passa a considerar como micro ou pequena qualquer empresa com faturamento líquido anual de até 360 mil reais e 3,6 milhões de reais, respectivamente, sem importar o setor ou atividade.
A lei também simplifica os procedimentos para abrir e fechar pequenas empresas. O tempo para abrir uma companhia passa, teoricamente, de 127 para cinco dias e cria um Cadastro Único Nacional destas companhias para reduzir a burocracia de seu funcionamento. O cadastro começa a vigorar a partir de março de 2015 e acaba com a inscrição estadual e municipal, segundo o ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos.

Desde quando o Super Simples entrou em vigor, em 2007, 9 milhões de pequenas empresas participaram do regime. o ministro disse ainda que as micro e pequenas empresas representam 97% das firmas nacionais e são as que mais geram renda e emprego no Brasil. "Se cada um puder gerar um emprego, serão 9 milhões de empregos. Isso impacta em 28% na taxa de emprego privado e no lucro familiar de 36 milhões de pessoas", disse.
Segundo dados do Sebrae, as micro e pequenas empresas são responsáveis por 27% do Produto Interno Bruto (PIB), por 52% dos empregos formais e por 40% da massa salarial nacional.

Matéria original: Veja

5 direitos trabalhistas que todo profissional deve conhecer

Confira alguns dos direitos trabalhistas que mais frequentemente terminam em ações na Justiça do trabalho


Fernando Cassar é advogado especializado em direito do trabalho, fundador do escritório Cassar Advocacia. Em uma matéria na EXAME e mostra 5 direitos trabalhistas que podem prejudicar a empresa.

1. Intervalo para alimentação é obrigatório

“Em jornadas clássicas de 8 horas, a pausa é de, no mínimo, uma hora e, no máximo duas horas. A lei é taxativa quanto a isso”, explica o advogado.

Já os trabalhadores que cumprem jornada de quatro horas não têm direito, por lei, a pausa. E quem trabalha mais de quatro horas, e menos do que seis, o intervalo obrigatório é de 15 minutos.

O problema reside, segundo Cassar, quando há a tentativa de conchavos. “O empregado trabalha oito horas e diz que para ele 15 minutos de intervalo está bom, mas quer sair mais cedo, por exemplo, para compensar”, diz.

Este tipo de “acordo”, diz Cassar, é totalmente proibido. “O tempo do intervalo não depende da vontade nem do empregado, nem do empregador. É um direito indisponível, ou seja, é inegociável”, explica.

2. Horas extras: no máximo duas por dia

“A lei só permite que um funcionário trabalhe até 10 horas por dia”, diz Cassar. Assim, empregados que cumprem jornada de 8 horas, podem trabalhar no máximo 10 horas, ou seja, duas horas a mais do que o expediente habitual.

O advogado explica que, em empresas que adotam banco de horas, via de regra, não é nem possível marcar mais de duas horas extras por dia.

A exceção a essa regra fica com as categorias que cumprem plantão em escala de 12 horas por 36 horas. “Nesse caso a jurisprudência vem tolerando, embora não esteja previsto em lei”, diz Cassar.

E o que acontece com quem ultrapassa o limite de horas extras? “Na Justiça, a pessoa vai receber pelas horas trabalhadas e o juiz vai expedir ofício para a delegacia do trabalho e para o ministério público do trabalho para que a empresa seja autuada”, diz. Se for algo que ocorra todo mês, segundo Cassar, pode gerar uma autuação.

3. Intervalo entre uma jornada e outra é de 11 horas, no mínimo

Entre uma jornada e outra, o funcionário tem direito a 11 horas de descanso. Assim, o funcionário não pode ser chamado a cumprir mais uma jornada de trabalho caso o período de 11 horas de intervalo não seja cumprido.

De acordo com o advogado, o desrespeito a esse direito de descanso é bastante frequente,principalmente em locais em que se trabalha por turnos.

“Mas, chamar um funcionário que tenha terminado a jornada à 1h da manhã para começar nova jornada às 8h do dia seguinte é tão proibido quanto trabalhar mais do que 10 horas por dia”, explica.

4. Executivos não estão submetidos à jornada

Executivos com ordem de comando, ou seja, poder de admitir, demitir e com autorização para representar o dono da empresa não estão sujeitos à jornada. Isso significa que esses profissionais não marcam ponto e, portanto, não recebem pelas horas extras trabalhadas.

Diretores e gerentes graduados, em tese, se enquadram neste perfil. Mas, o que pode gerar conflitos é que não basta ter a plaquinha de chefe.

“Não é qualquer diretor, ou qualquer gerente. No direito do trabalho o que prevalece não é a nomenclatura, e, sim, a real atividade”, explica Cassar. Assim, é preciso que o profissional tenha, de fato, ordem de comando, independentemente do nome do cargo.

5. Anúncio em jornal por abandono de emprego rende indenização por dano moral

Em caso de abandono de emprego, a aplicação da justa causa ocorre quando um requisito obrigatório é cumprido: a comunicação ao empregado. “O empregador não pode simplesmente aplicar justa causa sem ter comunicado o funcionário”, diz Cassar.

Mas, a velha prática de anunciar no jornal que o profissional abandonou o emprego pode render ação na Justiça por dano moral. “A lei não veda o anúncio, mas a jurisprudência já entende que tal prática pode macular a imagem do empregado”, explica Cassar.

Isso acontece porque o entendimento da Justiça é de que, nesse caso, há violação da privacidade do empregado. Por isso, muitas empresas já não usam deste expediente. “A recomendação que eu dou é fazer a comunicação por meio de telegrama, que é uma correspondência inviolável”, diz o advogado.

terça-feira, 24 de junho de 2014

Contrato de trabalho temporário amplia para nove meses

Nova legislação passa a valer a partir de 1º de julho

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) ampliou o prazo de duração do contrato de trabalho temporário para até nove meses. A medida, que vale a partir de 1º de julho, pretende dar mais consistência a essa modalidade de contratação. A portaria nº 789 foi publicada no dia 3 de junho no "Diário Oficial da União".
A nova norma diz que as empresas devem pedir autorização para a contratação superior a três meses no site do Ministério do Trabalho e Emprego, com antecedência mínima de cinco dias do início do contrato. No caso de prorrogação, o pedido deve ser feito cinco dias antes do término previsto inicialmente no contrato.
Um empregador poderá, por exemplo, contratar um temporário por três meses (conforme prevê a lei 6.019/89) e pedir prorrogações, conforme a necessidade, até que o contrato atinja o limite máximo dos nove meses.
Atualmente, o limite é de seis meses. De acordo com a nova portaria, os contratos de trabalho temporário poderão durar até nove meses desde que as circunstâncias e motivos da empresa justifiquem a opção. Ela vale exclusivamente na hipótese de substituição de pessoal regular e permanente.

O que é trabalho temporário?
Trabalho temporário é aquele prestado por uma pessoa física, por meio de uma empresa interposta, para atender a uma "necessidade transitória de substituição de seu pessoal regular e permanente" ou a um "acréscimo extraordinário de serviços", de acordo com José Daniel Gatti Vergna e Rodrigo Milano Alberto, advogados especializados em direito do trabalho do escritório Mesquita Barros Advogados.
Segundo os advogados, na primeira hipótese, seria possível contratar um trabalhador temporário para ocupar a posição de uma empregada grávida que se afasta do trabalho por causa da licença-maternidade. Com a nova portaria, portanto, esse trabalhador poderá ser contratado por até nove meses.
A segunda hipótese ("acréscimo extraordinário de serviços") trata de contratações que ocorrem, por exemplo, nas semanas que antecedem ou sucedem ao Natal, quando as empresas precisam de maior número de mão de obra para atender à crescente demanda do período. Nessas situações, a regra permanece a mesma que antes da nova portaria, ou seja, somente será possível ampliar em três meses o termo do contrato, observando-se os três meses inicialmente permitidos pela lei.

Fonte da matéria G1 da Globo

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Sou obrigado a fazer horas extras?

Hora Extra, inimiga ou amiga? Quem ganha e quem perde? Veja o que dizem especialistas

Existem trabalhadores que adoram fazer horas extras, já que o pagamento vem um pouco mais “recheado”, existem também aqueles trabalhadores que não gostam, afinal “nunca ninguém ficou rico fazendo horas extras”. Frases assim são comuns em empresas, mas será que é obrigado a fazer horas extras?
Mas vamos a uma realidade que muitos desconhecem.
Ao contrário do que muitos pensam, hora extra não é bom para a empresa, já que o valor dessas horas são maiores do que as horas pagas normalmente e geralmente não estão no custo do produto. Portanto, quando uma empresa pede por horas extras, muito provavelmente é para suprir um pedido e não perder o cliente, essas extras não duram para sempre.
Fazer ou não fazer extras:
“Já que não é obrigatório, não preciso fazer”. Correto, porém, pensa um pouco, em uma empresa com dez funcionários, onde dois deles não fazem extras. Surge uma oportunidade de subir de cargo, cargo de confiança, quais funcionários estariam concorrendo a esta vaga? Provável que aqueles que fazem extras. E se fosse um caso de corte de mão de obra, quais seriam os primeiros a serem cortados? Aqueles que não ajudaram além do que o normal.
Claro que existem muitos outros itens a serem avaliados nesses casos, mas estar disponível para fazer extras é significante em uma avaliação dentro da empresa.

O que dizem os especialistas?

Confira abaixo questões respondidas pelo juiz da 26ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, Marcelo Segal, e pela advogada trabalhista Isabelli Gravatá, autora de livros jurídicos de direito e processo do trabalho. Em uma matéria exibida no G1 da Globo.

Em que situações as horas extras são pagas? 
De acordo com a advogada, as horas extras são devidas toda vez que o empregado trabalha além da sua jornada normal de trabalho sem qualquer tipo de compensação. Também são devidas quando se trabalha no horário destinado ao intervalo, ou ainda, quando não é concedido horário de intervalo para descanso durante o dia de trabalho ou entre um dia de trabalho e outro. Por exemplo: se o empregado tem duas horas de almoço e usa só uma e trabalha na outra essa hora que deveria estar almoçando é computada como extra. Já o intervalo entre um dia e outro de trabalho é de 11 horas. Por exemplo, se entre um dia e outro o intervalo for de oito horas, computam-se três horas extras.

O empregado pode recusar-se a trabalhar horas extras? 
De acordo com a advogada, em princípio, o empregado não pode se recusar a trabalhar horas extras se elas estiverem previstas em acordo escrito ou contrato coletivo de trabalho (instrumento de negociação coletiva feito entre o sindicato dos empregados e o sindicato dos empregadores). Entretanto, de acordo com o artigo 59 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o empregador não poderá exigir do empregado mais de duas horas extras por dia. Caso o patrão venha a exigir uma jornada extraordinária maior que a autorizada por lei, o empregado poderá recusar a trabalhar as demais horas extras. Porém, caso ele venha a trabalhar mais do que as duas horas extras permitidas, ele tem direito a receber por todas as trabalhadas.
Já de acordo com o juiz, um dos principais deveres do empregado é o de colaboração ao empregador, e, portanto, ele não pode se negar, sem justificativa, a realizar eventuais horas extras necessárias ao serviço. Mas se houver uma justificativa plausível ou a exigência de horas extras for habitual, então a vontade do empregado deve ser respeitada.

Como pode ser prorrogada a jornada normal de trabalho? 
De acordo com a advogada, a prorrogação poderá ocorrer por mais duas horas além do horário normal de trabalho do empregado, desde que exista previsão em acordo escrito ou contrato coletivo de trabalho. Poderá, ainda, ser prorrogada caso ocorra necessidade imperiosa, seja por motivo de força maior, seja para atender à realização ou conclusão de serviços inadiáveis ou cuja inexecução possa acarretar prejuízo.
Segundo o juiz, basta que o empregado permaneça em atividade mesmo após a carga horária normal de trabalho. Por ser algo excepcional, extraordinário, não há necessidade de ser contratado por escrito.

De que forma deverá ser remunerada a hora extra? 
De acordo com o juiz, a hora extra deverá ser paga com acréscimo de, no mínimo, 50%, de segunda a sexta-feira, e 100% aos domingos e feriados. Portanto, a hora extra vale mais que a hora normal de trabalho.
A advogada explica que inicialmente deve-se verificar o número de horas mensais trabalhadas multiplicando-se o número de horas semanais que o empregado trabalha normalmente por cinco (número de semanas que o mês pode no máximo ter). Por exemplo, 44 horas semanais multiplicadas por 5 é igual a 220 horas mensais. Em seguida, divide-se o valor do salário mensal pelo número de horas mensais encontradas. Por exemplo: salário de R$ 1.760 divididos por 220 horas é igual a R$ 8 por cada hora de trabalho. O valor da hora é dividido então por 2 para encontrar o valor do adicional mínimo de 50%. Logo, se a hora é de R$ 8, dividida por 2 é igual a R$ 4 de adicional. Por fim, a hora extra equivale à soma do valor da hora ao adicional de 50%. Com esse cálculo encontra-se o valor de 1 hora extra, bastando multiplicar o referido valor pelo número de horas extras trabalhadas no mês.

O que o contrato de trabalho deve estipular? 
De acordo com a advogada, o contrato de trabalho deverá conter todas as informações relativas ao trabalho executado, constando desde o início o horário de entrada, de saída, de intervalo e a possibilidade de trabalho extraordinário. Deverá constar, também o valor do salário e o percentual do adicional das horas extras, bem como a forma de pagamento. Caso não conste o percentual do adicional das horas extraordinárias, o valor será o mínimo imposto pela Constituição, ou seja, de 50%. Poderão também constar os casos em que o empregado não pode se recusar a fazer as horas extras.

Em que tipo de contrato não está previsto o pagamento de hora extra?
De acordo com a advogada e o juiz, o empregado está proibido de fazer horas extras no contrato por tempo parcial em que é contratado para trabalhar no máximo 25 horas semanais, recebendo de forma proporcional à sua jornada trabalhada em relação aos empregados que cumprem, nas mesmas funções, tempo integral. Os empregados domésticos também não têm direito a hora extra.

Como funcionam as horas extras em feriados e fins de semana? 
De acordo com a advogada e o juiz, em domingos e feriados, os empregados devem receber adicional de, no mínimo, 100%. Já aos sábados, o adicional permanece sendo de, pelo menos, 50% sobre a hora normal.

Como se calcula as horas extras quando o funcionário está em viagem? 
De acordo com a advogada, tudo dependerá da forma como o empregado foi contratado, pois se o serviço dele for externo e incompatível com o controle da jornada de trabalho, não são devidas as horas extras. Já se houver uma forma compatível com a fixação e o controle da jornada, mesmo o trabalho sendo exercido externamente, o empregado terá direito às horas extras calculadas no valor da hora acrescido de no mínimo 50%.
Segundo o juiz, serão extras as horas de efetivo trabalho, mas na prática isso gera muitos problemas, especialmente porque não há consenso se o tempo que o empregado permanece longe de sua residência (por exemplo, no deslocamento e no pernoite em hotel) pode ser considerado tempo à disposição do empregador e, portanto, extraordinário.

Por quanto tempo a empresa pode acumular as horas extras até pagar o funcionário? 
De acordo com o juiz, normalmente devem ser pagas no mês seguinte ao da prestação do serviço, exceto se a empresa tiver ajustado junto ao sindicato de classe dos empregados o chamado banco de horas extras. Nesse caso, as horas extraordinárias realizadas convergem para a conta que o empregado tem no banco e devem ser compensadas em até 12 meses da sua realização, sob pena de serem pagas.

Existe algum prazo máximo para o pagamento? 
De acordo com o juiz, se não houver banco de horas, 30 dias; se houver banco de horas nos moldes legais, que não pode ser imposto unilateralmente, devendo ser negociado e aprovado com o sindicato, 12 meses.

Se a empresa quiser “pagar” as horas extras com dias de folga em vez de dinheiro ela pode?
De acordo com o juiz, ao empregador é permitido compensar as horas extras trabalhadas com folga ou diminuição correspondente da jornada na mesma semana ou, no mais tardar, na semana seguinte. Se não o fizer, deverá pagar os extraordinários. A única ressalva é se houver banco de horas instituído, quando então a compensação poderá ser feita em até 12 meses.
Segundo a advogada, a troca das horas extras por dias de folga ou por banco de horas dependem de acordo individual (entre empregado e empregador), ou de acordo coletivo (feito entre o sindicato dos empregados e a empresa), ou através de convenção coletiva (negociação feita entre o sindicato dos empregados e o sindicato dos empregadores).

Como o funcionário pode controlar as suas horas extras? Ele deve anotar ou a empresa é obrigada a fornecer um documento todo mês com as horas acumuladas? 
De acordo com a advogada, o empregado deverá anotar as suas horas extras trabalhadas, pois o controle de frequência é um documento da empresa e que só é obrigatório para aquelas que possuem mais de 10 empregados.
Segundo o juiz, a lei determina que os controles de ponto devem ser fidedignos e retratar a real jornada de trabalho. A cada mês o controle deve ser exibido ao empregado para que ele o confira e, se estiver de acordo, assine. Esses documentos serão exibidos em juízo em caso de ação por pagamento de hora extra. No entanto, maus empregadores proíbem a marcação da real jornada nos controles, de modo que o empregado deverá obter provas da jornada extra por outro meio como, por exemplo, testemunhas.

Quais são os reflexos das horas extras nas verbas rescisórias? 
De acordo com o juiz, as horas extras, se habituais, refletem em todas as verbas decorrentes do rompimento contratual - aviso prévio, 13º salário proporcional e férias proporcionais acrescidas de 1/3. Durante o contrato de trabalho, se habituais, refletirão também no repouso semanal remunerado e no FGTS, de modo que a indenização de 40% sobre o FGTS também fica maior.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Se você não for você, então quem você será? - por Daniel Luz

Na coluna "Recarregando a Bateria Humana" desta semana...

“Nenhum homem jamais foi grande através da imitação”
- Samuel Johnson, 1709 -1784
Escritor, poeta e ensaísta britânico

Se você não for você, então quem você será?

“Todo ser humano é destinado a ter uma característica própria: ser aquilo que nenhum outro é, e fazer aquilo que nenhum outro pode fazer.”
-  Dr. William Ellery Channing, 
poeta e teólogo. (1780 - 1842)

Cada pessoa é como uma peça única de um quebra-cabeças gigantesco que cresce ao longo do tempo. Todos temos formas e cores diferentes, cada um preenchendo um espaço único que ajuda a completar a figura final. Você pode ser uma exuberante pétala de flor como uma begônia, uma explosão vulcânica ou um dente afiado de um tigre de bengala. Ou você pode ser uma daquelas peças azuis do céu. Você sabe. Aquelas que, à primeira vista, parecem todas iguais. Mas tente colocar uma peça do céu no espaço designado para outra peça e o que acontece? Não se encaixará!
Você pode tentar forçar, amassar a peça ou inverter um pouco as extremidades dela, mas mesmo que consiga forçar o encaixe da peça num espaço que não lhe pertença, a figura final nunca parecerá totalmente correta. E em algum outro lugar no quebra-cabeça, existirá um espaço pendente na figura – um espaço em que aquela peça teria se encaixado perfeitamente.
Toda peça tem uma função. Mas, às vezes, leva um tempo para acharmos sua localização. Isso faz parte da aventura de viver. Você está descobrindo quem você é onde se encaixa – e que parte da grande figura você foi criado para compor no quebra-cabeça. Esse processo envolve erros e experiências, assim como montar um quebra-cabeça com sete bilhões de peças! Isso significa que você pode se sentir à vontade para lidar com questões complexas de matemática, avaliar se falar em público é sua praia ou se juntar ao grupo de trabalho voluntário. Você pode se sentir orgulhoso de ser um devorador de livros, um nerd ou um surfista. Na verdade, você pode até descobrir que tem um talento nato para todas essas coisas.
Se você está à procura de uma referência para comparar-se, desconsidere comparar-se aos outros. Toda vez que você se compara com alguma outra peça do quebra-cabeça ou tenta mudar você mesmo de uma corrente de lava para um dente de tigre, porque os tigres estão totalmente na moda, você perde de vista o verdadeiro valor que é ser único como você realmente é.
É como se comparar maçãs com laranjas ou céu azul com as begônias. Comparar-se com outras pessoas não prova nada, exceto que todos nós somos diferentes. Únicos. Só isso. Ao invés de se comparar com outros, compare quem você é; tentando ser quem você realmente foi criado para ser.  Esse é um padrão que permanece constante em nossa vida. Ninguém jamais poderá “ser você” melhor que você mesmo. E isso merece uma comemoração.
O professor, escritor e poeta Russel Kelfer (Russel Lee Kelfer, (1933 – 2000) Jornalista, escritor e poeta americano.), deixou-nos um poema lindíssimo que resume a essência de nossa singularidade:
Você é quem é por uma razão.
Você faz parte de um plano complexo.
Você é uma criação original, preciosa e perfeita...

Você não é um acidente.
Seu nascimento não foi um erro ou um infortúnio, e sua vida não é um acaso da natureza. Seus pais podem não tê-lo planejado, mas o Criador certamente o fez. Ele não ficou nem um pouco surpreso com seu nascimento. Aliás, ele o aguardava.
Muito antes de ser concebido por seus pais, você foi concebido na mente do Criador. Ele pensou em você primeiro. Você não está respirando neste exato momento por acaso, sorte, destino ou coincidência.
O Criador determinou cada pequeno detalhe de nosso corpo. Ele deliberadamente escolheu sua raça, a cor de sua pele, seu cabelo e todas as outras características. Ele fez seu corpo sob medida, exatamente do jeito que queria. Ele também determinou os talentos naturais que você possuiria e a singularidade de sua personalidade. Você é único.
Deus queria que você fosse VOCÊ. Ele o criou para ser único, distinto, uma pessoa significativa, diferente de qualquer outro individuo no planeta Terra, ao longo deste vasto período de tempo. Em seu caso, assim como no de qualquer outro ser humano, o molde foi quebrado, para nunca ser usado novamente, logo que você entrou no fluxo da humanidade.

O grande general e poeta Davi, herói do povo hebreu, aquele retratado por Michelangelo em uma fenomenal escultura de mármore, disse: “Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe. Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Digo isso com convicção. Meus ossos não estavam escondidos de ti quando em secreto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu embrião; todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer um deles existir”. (Livro de Salmos – 139.13-16)
Se eu li corretamente essa declaração espantosa, você foi planejado e depois apresentado ao mundo exatamente  da forma como o Criador quis.
Reflita sobre esta verdade!
Leia as palavras de Davi mais uma vez, e não perca o comentário de que Deus está pessoalmente envolvido em todos os dias, detalhes e aspectos da sua vida. Grande pensamento! Às vezes, esquecemo-nos da verdade a respeito de quem somos. Temos um dia Ruim, fazemos algo estúpido, alguém nos coloca para baixo, nossas emoções inebriam nosso bom senso, e às vezes precisamos ser lembrados que somos obra de arte e não acidente.

Para recarregar a bateria:
Uma mulher de meia-idade teve um ataque cardíaco e foi levada às pressas para a unidade de emergência. Na mesa de operações ela teve uma experiência de quase-morte; viu Deus e perguntou se tudo acabava ali. Ele respondeu: “Não, você ainda tem 43 anos, dois meses e oito dias para viver”.
Quando se recuperou, decidiu ficar no hospital e fazer cirurgia plástica no rosto, lipoaspiração, remoção de tecidos gordurosos da barriga, enfim, um trabalho completo. Ela até chamou uma pessoa para pintar seu cabelo, imaginando que, já que teria muita vida pela frente, bem que poderia tirar melhor proveito disso.
Recebeu alta depois do último procedimento. No entanto, enquanto atravessava a rua em frente ao hospital, morreu atropelada por uma ambulância em alta velocidade.
Quando chegou à presença de Deus, estava botando fogo pelas ventas:
- Achei que o Senhor tinha dito que eu viveria mais 43 anos.
Ao que Ele lhe respondeu:
- Eu não reconheci você.

Não importa quem você seja ou que esteja passando, você foi criado à imagem do poderoso e inabalável Deus. Você é VOCÊ único e importante.

segunda-feira, 31 de março de 2014

Copersucar e Cargill fazem associação para venda de açúcar

Cada empresa terá fatia de 50% na nova companhia

A brasileira Copersucar e a multinacional Cargill anunciaram na última quinta-feira um acordo para combinar suas atividades globais de comercialização de açúcar em uma joint venture (associação) que irá originar, comercializar e vender açúcar bruto e refinado.
"A joint venture consolidará a capacidade de ambas as empresas, visando aumentar a eficiência, a qualidade e os serviços na cadeia produtiva de açúcar, além de alavancar um profundo conhecimento do mercado mundial para beneficiar nossos clientes", disseram as companhias, em comunicado conjunto.
Cada empresa terá fatia de 50% na nova companhia, que poderá entrar em operação no segundo semestre deste ano, quando é esperada a aprovação de autoridades regulatórias. (Leia mais)

A vida é como eco - por Daniel Luz

Na coluna "Recarregando a Bateria Humana" desta semana...

“seja Bondoso com as pessoas em seu caminho de ida, pois você as encontrará em seu caminho de volta”
-  Wilson Mizner, (1893 – 1933) Dramaturgo americano

A vida é como eco
“Como vocês querem que os outros lhes façam, façam também vocês a eles... Não julguem, e vocês não serão julgados. Não condenem, e não serão condenados. Perdoem e serão perdoados. Deem, e lhes será dado... Pois a medida que usarem também será usada para medir vocês. ”
Palavras de Jesus, registradas no Evangelho de Lucas (Lucas 6.31,37,38)

A vida é como eco. Se não gostamos do que recebemos, devemos prestar atenção no que emitimos.
Um garotinho vivia com seu avô no alto de uma montanha. Frequentemente, só para ouvir o som de sua voz ecoando, ele saía, colocava as mãos ao redor da boca e gritava: “ALÔ!” Das montanhas a resposta vinha: “ALÔ... ALÔ... alô... alô...”. Depois que ele gritava vinha a resposta: “EU AMO VOCÊ... EU AMO VOCÊ... Eu amo você... Eu amo você...”
Um dia ele se comportou mal e seu avô o disciplinou severamente. Reagindo agressivamente, o garotinho balançou seu braço e gritou: “EU ODEIO VOCÊ!” para sua surpresa, as rochas e picos das montanhas responderam dessa forma: “EU ODEIO VOCÊ... EU ODEIO VOCÊ... Eu odeio você... Eu odeio você...”
A vida é assim. Chame isso de uma das leis imutáveis da natureza humana. Nós recebemos exatamente o que damos. A vida lhe devolve tudo o que você diz e faz. A vida é simplesmente um reflexo de nossas ações. Ela lhe devolve tudo o que você dá a ela.
Sua vida não é uma coincidência: ela reflete você! Se quiser saber quem é o responsável pela maioria de seus problemas, de uma olhada no espelho. Se pudesse chutar o traseiro da pessoa responsável pela maioria de seus problemas, você ficaria sem poder sentar durante três semanas. É hora de sairmos de nosso próprio caminho.
Tudo volta. Ecos incríveis espelham nossas ações de uma forma enfática, algumas vezes até maior. Os resultados frequentemente são embaraçosos ou trágicos.
A lei dos ecos também funciona em nosso trabalho. As montanhas rochosas dentro das vidas dos outros estão prontos para ecoar as mesmas atitudes e ações que iniciamos. Quer que seus colegas de trabalho sejam amigáveis, altruístas, não façam comentários ácidos, cáusticos e nem olhem feio para você? O lugar certo para começar é com aquela pessoa que olha de volta para você do espelho do banheiro todas as manhãs.
A lei é exatamente consistente. Os filhos ecoam seus pais; alunos em uma sala de aula usualmente são ecos de seus professores. Se o que se comunica é negativo, severo, insensível e exigente... adivinha o que acontece? O eco reflete essas mesmas características, quase sem nenhuma exceção.
Recentemente li sobre uma professora que pediu a seus alunos para escreverem, em trinta segundos, nomes de pessoas que realmente odiavam. Alguns estudantes só conseguiram pensar em uma pessoa durante esse meio minuto. Outros listaram mais de catorze. O fato interessante que emergiu dessa pesquisa foi que – aquelas que odiavam mais pessoas eram os mais odiados.
A lei dos ecos. Se você quiser que os outros o julguem e condenem, comece a fazer isso. Se deseja que sejam compreensíveis, acolhedores, que permitam que você seja você mesmo – então comece a ser dessa forma.
Sorrisos trazem sorrisos. Uma atitude positiva é contagiosa como um resfriado. Infelizmente, isso também acontece com suspiros, carrancas e palavras ásperas. O que você depositar no banco de ecos, você retira de volta. Algumas vezes com juros.

Para recarregar a bateria:
Li uma historia engraçada sobre o presidente Abraham Lincoln que mostra a relação entre nossas atitudes e o efeito que elas exercem sobre quem somos. Um conselheiro de Lincoln recomendou determinada pessoa para certo  cargo no gabinete, mas Lincoln rejeitou a sugestão. Disse ele:
- Não vou com a cara desse sujeito.
- Mas, senhor – protestou o conselheiro –, ele não pode ser responsabilizado pela cara que tem.
Ao que Lincoln retrucou:
- Todo homem com mais de 40 é responsável pela própria cara.
Quem você é e como pensa também são coisas que podem ser lidas em seu rosto. Ao se olhar no espelho, se você vir uma expressão amarga, estará enxergando a expressão como certamente será tratado.
Uma das maiores descobertas que se pode fazer é que conseguimos mudar. Não importa onde você esteve ontem ou quão negativas suas atitudes foram no passado, você pode ser mais positivo  hoje. E isso faz uma diferença incrível para seu potencial e vida.

segunda-feira, 24 de março de 2014

Mas... - por Daniel Luz

Na coluna "Recarregando a Bateria Humana" desta semana...

“O fracasso é realmente uma questão de presunção. As pessoas não trabalham duro porque, em sua presunção, imaginam que obterão sucesso sem fazer esforço.
A maioria das pessoas acredita que acordarão um dia e se verão ricas. Na verdade, isso está metade certo, porque eventualmente elas acordam.
Cada um de nós precisa fazer uma escolha. Vamos dormir a vida toda, evitando o fracasso a todo custo? Ou vamos acordar e perceber isto: o fracasso é simplesmente um preço que pagamos para obtermos sucesso.”
- Thomas Alva Edison (1847 – 1931) Inventor e empresário americano

Mas...

“Se você não gosta de alguma coisa, mude-a.  Se você não pode mudá-la, mude sua atitude. Não reclame.”
Maya Angelou (1928) Poeta, escritora e ativistas de direitos civis.(Pseudônimo de Marguerite Ann Johnson)

Eu tinha um sonho... Fiz planos... Mas... O destino, as circunstancias, Deus...
Estou pensando em algumas pessoas que disseram as mesmas palavras e Willem foi uma delas.
Willem queria pregar. Aos 25 anos, ele já havia vivido o suficiente para saber que sua vida era para o sacerdócio. Vendia obras de arte, ensinava línguas, negociava livros; conseguia ganhar a vida, mas não era uma vida. Sua vida era na igreja. Sua paixão estava voltada para as pessoas.
Assim sua paixão o levou para as áreas carboníferas do sul da  Bélgica. Lá, na primavera de 1879, esse holandês começou a ministrar para os mineiros simples e trabalhadores da pobre região de Borinage. Em questão de semanas, sua paixão foi testada. Um desastre na exploração das minas feriu inúmeros aldeões. Willem trabalhou o dia todo cuidando de feridos e alimentando os famintos. Ele até escavou as paredes das jazidas para ajudar seu povo.
Depois que o entulho foi limpo e os mortos enterrados, o jovem pregador ganhou lugar no coração deles. A igrejinha encheu-se de pessoas famintas de suas mensagens de amor. O jovem Willem estava fazendo o que sempre sonhou.
Mas...
Certo dia seu superior veio visitá-lo.  O estilo de vida de Willem o deixou chocado. O Jovem pregador usava um velho casaco de soldado. Suas calças eram feitas de tecido de saco, e ele vivia em uma cabana simples. Willem dava seu salário às pessoas. O oficial da igreja estava indiferente.
- Você parece mais patético que as pessoas a quem veio ensinar – Ele disse.
O oficial não concordava com nada, Essa não era a aparência adequada de um ministro religioso. Ele afastou Willem do ministério.
O jovem ficou arrasado.
Ele só queria ajudar. Ele só queria fazer algo bom. Por que o destino, as circunstâncias ou Deus não o deixavam realizar seu sonho?
O que você faz com os momentos da vida em que os “mas” aparecem?
Sua carreira ia muito bem... Mas...
A vida familiar estava perfeita... Mas...
Os negócios estavam prosperando... Mas...
Eles estavam apaixonados, cheios de planos... Mas...
Estava em plena forma física... Mas...
E Willem? Essa é outra história. A princípio, ficou magoado e irado. Permaneceu na pequena vila durante semanas, sem saber para onde se voltar. Mas então aconteceu a coisa mais estranha. Certa tarde, ele percebeu um velho mineiro curvado atrás de uma enorme carga de carvão. Surpreso com a dor e a pungência do momento, Willem colocou a mão no bolso à procura de um pedaço de papel e começou a esboçar a figura cansada. Sua primeira tentativa foi grosseira, mas depois ele tentou novamente. Ele não sabia; os aldeões não sabiam; o mundo não sabia; mas Willem, naquele momento, descobriu seu verdadeiro chamado.
Não era o hábito do clero, mas a roupa de um artista.
Não era o púlpito de pastor, mas a palheta de um pintor.
Não era o ministério de palavras, mas o de imagens. O jovem homem que o líder religioso não aceitou tornou-se um artista a quem o mundo não pôde resistir: Vincent Willem van Gogh.
Seu “mas...” tornou-se um “No entanto...”.
Quem dirá que com o seu “mas...” não ocorrerá o mesmo?
Então aproveite o dia, transforme seu “mas...” em “no entanto Deus tem algo melhor para mim”. Sua grande hora chegou.

Para recarregar a bateria:
É Comum que algo percebido como um fracasso ou revés acabe nos proporcionando uma oportunidade de levar nossas vidas a uma direção nova e plena de realizações. Semelhante ao caso de Willem, Vincent Willem van Gogh, aconteceu com James Whistler (James Abbott McNeill Whistler (10 de julho de 1834 - 17 de julho de 1903),  esperava-se que o grande retratista, seguisse a carreira militar do pai. Mas..., depois de ser reprovado numa prova de química em West Point, ele foi dispensado da academia em 1854 por uma “deficiência em química”. Trabalhou rapidamente para a Winans Locomotive Works, em Baltimore, mas não conseguiu resistir à paixão por viajar e pintar. Se não fosse por sua capacidade de transformar as adversidades em oportunidades, talvez ele nunca tivesse criado o seu quadro mais famoso, O Retrato da Mãe do Artista, mais conhecido como A Mãe de Whistler. Quando a modelo que ele tinha contratado ficou doente e não pôde posar, Whistler pediu à mãe que posasse para o quadro, que ele pintou no verso de uma tela velha. Apesar do fato de ela ter tido que ficar sentada devido à sua fragilidade, Whistler conseguiu capturar seu forte caráter protestante por meio da pose e da expressão sóbria. Esse se tornou o seu quadro mais famoso e essa imagem icônica continua a inspirar artistas, cartunistas e cineastas e já foi tema de três capas da revista New Yorker.
Moral da História: Não espere condições perfeitas para o sucesso acontecer; vá em frente e faça alguma coisa. E não aceite o fracasso – de que maneira você pode transformar um revés, um “mas...” numa oportunidade?
Eu vejo muita gente culpar algum fator externo por sua situação atual e por falta de realização. Culpam pais, professores, chefes, colegas ou cônjuges pelas mudanças inesperadas da vida. Mas culpar os outros não resolve nada. Ao contrário, só gera medo e melancolia. Destrói a criatividade e ergue paredes que afastam os outros e mantêm recursos fora da vista. Talvez o que você veja como obstáculo seja a sutil maneira de Deus redirecioná-lo para um futuro mais compensador.

segunda-feira, 17 de março de 2014

Retrato de determinação - por Daniel Luz

Na coluna "Recarregando a Bateria Humana" desta semana...

“Você pode superar os obstáculos em seu caminho se for determinado, corajoso e trabalhador. Nunca receie. Seja decidido, mas nunca amargo. A amargura servirá somente para deformar sua personalidade. Não permita que ninguém o desestimule de lutar pelos objetivos que escolheu para si. Não tenha medo de ser o pioneiro, de desbravar novos campos de atividade.” - Ralph Johnson Bunche, 1903 – 1971 Premio Nobel da paz de 1940.

Retrato de determinação

“Ainda estou determinada a ser alegre e feliz em qualquer situação que possa estar, pois aprendi com a experiência que a maior parte da nossa felicidade ou tristeza depende das nossas disposições e não das circunstancias.” - Martha Washington, 1731 – 1802, a primeira das primeiras-damas dos EUA.

Sempre que penso em prosseguir com determinação, em perseguir um objetivo e alcançar vitória diante de situações insuportáveis, o nome de Wilma Rudolf  surge em minha mente.
(Martha DandridgeCustis Washington, mais comumente conhecida por Martha Washington (21 de julho de 1731 — 22 de maio de 1802) foi a esposa do 1º presidente estadunidense George Washington, e por conseguinte, a 1ª primeira-dama da nação estadunidense.
Wilma Glodean Rudolph (Clarksville, 23 de junho de 1940 — Brentwood, 12 de novembro de 1994) foi uma atleta norte-americana que, portadora de poliomielite na infância, conquistou três medalhas de ouro como velocista nos Jogos Olímpicos de Roma em 1960.)

Desde seu nascimento parecia que Wilma já tinha sofrido mais que merecia. Ela era a vigésima criança de 22 filhos nascidos de uma família afro-americana do Tennessee. Conhecida como“a criança mais doente de Clarksville”, Wilma teve sarampo, caxumba, catapora, pneumonia aguda e febre escarlate. Aos quatro anos de idade, ela contraiu poliomielite, o que deixou sua perna esquerda paralisada. Aos cinco anos, Wilma começou a usar um suporte mecânico na perna. Sua pobre saúde impediu-a de fazer o jardim da infância, então ela entrou na escola no ensino fundamental. Em sua autobiografia, Wilma explica que frequentou uma escola diferenciada, mas seu cabelo vermelho e suas marcas na pele junto com sua perna de suporte metálico a faziam sentir-se uma estranha entre os colegas. As braçadeiras de metal na perna, os olhares atentos das outras crianças do bairro, e o tratamento de seis anos, viajando de ônibus a Nashville, poderiam ter levado essa menina para uma concha criada por si mesma.
Mas Wilma recusou tudo isto.
Wilma continuou sonhando.
Ela estava determinada a não permitir que sua deficiência interrompesse o caminho de seus sonhos. Talvez sua determinação fosse gerada pela fé de sua mãe cristã que frequentemente dizia: “Querida, a coisa mais importante na vida é você acreditar nisso e continuar tentando”.
Aos onze anos, Wilma decidiu “acreditar nisso”. E por absoluta determinação e um espírito indomável para perseverar, a despeito de todas as dificuldades, ela se obrigou a aprender a caminhar sem braçadeiras de metal.
Aos doze anos, ela fez uma descoberta maravilhosa: as meninas podiam correr e pular, tambémjogar bola exatamente igual aos meninos! Sua irmã mais velha, Yvonne, era muito boa em basquete, então Wilma decidiu desafiá-la nas quadras. Ela começou a melhorar. As duas, no final das contas, foram para mesmo time da escola. Yvonne foi escalada para a seleção da escola, mas Wilma não. Mas o painão permitia que Yvonne viajasse com o time sem a irmã como acompanhante, Wilma estava frequentementena presença do treinador.
Um dia ela criou coragem para confrontar o homem com sua magnífica obsessão – seu sonho de vida. Ela revelou: “Se você me der dez minutos de seu tempo todo dia – apenas dez minutos – eu lhe darei um atleta de classe mundial”.
Ele aceitou sua oferta. O resultado da história é que a jovem Wilma finalmente ganhou uma posição titular no time de basquete; e quando terminou aquela temporada, ela decidiu tentar se classificar em um teste na equipe de pista. Que decisão!
Em sua primeira corrida, ela superou sua amiga. Depois ela superou todas as meninas em sua escola de segundo grau... depois, todas as meninas da escola do segundo grau do estado do Tennessee. Wilma Tinha apenas catorze anos, mas já era uma campeã.

Logo depois, embora ainda estivesse no segundo grau, ela foi convidada para fazer parte da equipe de pista de Tigerbelle, da Universidade Estadual do Tennessee. Ela começou um sério programa de treinamento depois das aulas e nos fins de semana. Enquanto se aperfeiçoava, continuava a ganhar corridas curtas e de revezamento de cerca de 400 metros.
Dois anos depois ela foi convidada aparticipar das eliminatórias para as Olimpíadas. Ela foi classificada e correu nos jogos de Melbourne, Austrália, em 1956. Ela ganhou uma medalha de bronze, quando sua equipe foi a terceira colocada na corrida de revezamento de 400 metros – uma vitória agridoce. Ela havia ganhado – mas decidiu que da próxima vez ela iria “conseguir o ouro”.
Eu poderia saltar quatro anos e me apressar para chegar a Roma, mas isso não faria justiça à sua história toda. Wilma percebeu que a vitória ia requerer uma quantia enorme de compromisso, sacrifício e disciplina. Para dar a si mesma “a fôrma de campeão” como uma atleta de classe mundial ela começou um programa tipo “faça você mesmo”, semelhante ao que ela havia empregado para se livrar das braçadeiras de metal. Ela não só corria às seis e às dez horas todas as manhãs,  e às três horas todas as tarde, como também frequentemente escapava do dormitório pela saída de emergência das oito às dez horas da noite e corria na pista antes da hora de dormir. Semana após semana, mês após mês, Wilma mantinha o mesmo programa extenuante... durante mais de mil e duzentos dias.
Agora estamos prontos para Roma. Quando a jovem negra, suave e elegante, com apenas 20 anos, dirigiu-se para a pista, ela estava pronta. Ela havia pagado o preço. Até aqueles oitenta mil espectadores podiam sentir o espírito da vitória. Era eletrizante. Quando começou a corrida de curta distância, um canto cadenciado começou a emergir das arquibancadas: “Wilma... Wilma... WILMA!” A multidão estava confiante. E ela, não decepcionou, ganhou.
Ela voou para a vitória fácil na corrida de 100 metros. Então, ganhou a corrida de 200 metros. E, finalmente, levou a equipe feminina dos Estados Unidos à outra final, em que alcançou o primeiro lugar no revezamento de 400 metros. Três medalhasde ouro – a primeira mulher na história a ganhar três medalhas de ouro no atletismo. Eu deveria acrescentar que cada uma das três corridas foi vencida com novo recorde mundial.
A pequena garota de deficiente de Clarksville, Tennessee, era agora uma atleta de classe mundial. Wilma Rudolph havia decidido que não poderia permitir que sua deficiência a desqualificasse; em vez disso, ela escolheu pagar o preço da vitória e “conseguir o ouro”.
Se Wilma Rudolph pôde reunir a coragem para tirar aquelas braçadeiras de suas pernas e vencer um obstáculo após outro em sua busca, estou convencido de que também podemos. Você pode!
“Mas pera aí”, você diz. “Wilma Rudolf foi apenas outra vencedora. Ela chegou em primeiro lugar! Ela foi uma daquelas pessoas que alcança o topo e as outras pessoas comemoram. Nem todo mundo que deseja voltar a caminhar consegue. Nem todo mundo que treina duro para vencer uma olimpíada consegue levar a medalha de ouro”.
Isso é verdade. Mas a parte mais importante da história não são as medalhas de Wilma. Elas simplesmente levaram a incrível vida de Wilma para os olhos do mundo. Antes quando Wilma ainda era uma criança, seu objetivo não era ganhar uma medalha de ouro ou se tornar uma lenda olímpica. Na verdade, Wilmanunca tinha ouvido falar sobre as olimpíadas até completar dezesseis anos. Antes de começar a correr, seu objetivo era simplesmente – ver se poderia caminhar. Isso era algo que os médicos diziam nunca mais ser possível para ela. E ainda assim, Wilma alcançou seu objetivo, literalmente um passo de cada vez. E ela acabou levando o ouro olímpico de bônus.
A verdadeira competição de Wilma não era com os outros corredores. Ela estava competindo consigo mesma. Ao lidar com a auto-aceitação, ela tinha uma escolha a fazer: resignar-se ou comemorar. Ela escolheu a comemoração. Wilma enxergava além de quem ela era naquele momento, conseguia ver quem ela acreditava que poderia ser – alguém que ela acreditava que Deus a tinha criado para ser. Então, ela fez o que pôde para ajudar a si mesma a continuar e a crescer naquela direção.

Para recarregar a bateria:
Assim como Wilma, a história da sua vida é escrita um dia de cada vez. Você pode estar encarando grandes desafios. Você pode lutar em desvantagens, com deficiências ou desmotivação. Você pode não ter o apoio de uma família torcendo por você como Wilma teve quando era Jovem. Mas você não está só. Existe alguém torcendo por você. Alguém que conhece você por dentro e por fora. Alguém que entende qual é o seu lugar na grande figura da vida e sabe exatamente onde a peça do quebra cabeça, que é “você”, pertence. Ele quer lhe ajudar a se enxergar através dos seus olhos. Ele quer que você saiba que você é muito mais do que apenas “o bastante”.

sexta-feira, 14 de março de 2014

McDonald’s está com 100 vagas em Sorocaba

Restaurante oferece oportunidade de trabalho como atendente.
Interessados devem enviar currículo por e-mail

O McDonald’s está com 100 vagas abertas para interessados em trabalhar como atendentes de restaurante para os períodos diurno e noturno em Sorocaba (SP).
Segundo a rede de fast food, os interessados devem ter mais de 16 anos, estar cursando ou ter concluído o ensino médio. Não é exigida experiência anterior.
Os candidatos podem enviar currículo para o e-mail talentos@somcdonalds.com.br ou diretamente nos restaurantes da cidade.
Entre os benefícios oferecidos pela empresa estão: alimentação no local, seguro de vida, assistência médica e odontológica, vale-transporte, treinamento inicial e contínuo e plano de carreira.

ACESSE E CADASTRE SEU CURRÍCULO NAS MELHORES EMPRESAS E AGÊNCIAS DE SOROCABA

segunda-feira, 10 de março de 2014

De servente de pedreiro a engenheiro

Com pai analfabeto, estudante busca crescimento profissional e pessoal

O Empresa e Sucesso não pode deixar de compartilhar essa matéria, postada pelo G1 da Globo, onde o verdadeiro sucesso está em nossa vontade de desenvolvimento.
A matéria destaca exemplos de quem começou como servente de pedreiro e se tornou engenheiro. Este é o caso de Rui Ferreira da Silva Júnior, de 32 anos: “Mudou tudo na minha vida. Foi uma caminhada e um crescimento contínuo. Tudo o que apreendi em todas as funções que exerci eu posso colocar em prática”.
Por causa do pai, que é mestre de obras, Rui visita canteiros de obra desde pequeno. No entanto, ele não pensava em trabalhar na área até voltar da Inglaterra em 2005, após quatro anos morando no exterior. “Voltei para o Brasil com a intenção de regularizar meu visto e voltar para lá. Mas conversei com meus pais e resolvi ficar. Primeiro, fiz o supletivo para terminar o terceiro ano. Gostava de arquitetura, mas acabei optando pela engenharia porque tem mais exatas”, conta.
Assim que contou ao pai que queria prestar vestibular para engenharia, Rui, então com 26 anos, conseguiu o emprego como servente em uma obra. “Ele me disse que, se eu ia fazer engenharia, tinha que trabalhar em obra. Foi quando comecei a carregar saco de cimento. Sabia que não tinha me profissionalizado, então, encarava a profissão de servente como qualquer outra”, afirma.
Rui concluiu a graduação em 2012. No final do ano passado, após trabalhar 6 anos em canteiro de obras, ele pediu demissão para seguir na área que mais se identifica: projeto estrutural. “É bem complicado, mas foi minha decisão. Agora não tenho mais carteira assinada e nem recebo mensalmente, passei a ser um profissional liberal. Vai ser um período conturbado, estou em processo de adaptação, mas é o que eu gosto”, ressaltou.
O engenheiro também não parou de estudar. Atualmente, ele cursa uma pós-graduação de estruturas em geral. “Vi o quanto é importante o estudo. Nunca é demais, é um processo. A gente sempre está crescendo”, diz.

Leia a matéria completa que ainda mostra a vida de Cleomar Rosário Vieira de 34 anos.

Fonte: G1 da Globo

A refinada arte de ouvir - por Daniel Luz

Na coluna "Recarregando a Bateria Humana" desta semana...

“Deus nos deu não apenas dois ouvidos em uma boca, mas também o potencial de aprender. Quanto mais ouvimos e aprendemos, mais capazes ficamos de compreender o potencial que nos foi legado.”
- John Marks Templeton, 1912 -2008 Investidor e filantropo americano.

A refinada arte de ouvir

“Seja rápido ao escutar, lento ao falar” 
Palavras de Tiago, um dos discípulos de Jesus. Cerca de 40-50 d.C. (Tiago 1.19)

John Maxwell (Dr. John Calvin Maxwell, autor, palestrante e pastor evangélico, com mais de 12 milhões de livros vendidos) conta uma encantadora história de uma senhora de 89 anos que tinha problemas de audição. Ela foi se consultar com um médico e, ao terminar a consulta, ele disse a ela: “Existe agora uma técnica que pode corrigir seu problema auditivo. Para quando a senhora gostaria de marcar a operação?”.
“Não vai haver nenhuma operação porque não quero corrigir minha audição”, respondeu a mulher. “Estou com 89 anos e já ouvi o suficiente!”

Em qualquer idade, existem momentos em que podemos pensar  “Eu já ouvi o suficiente e não quero ouvir mais nada”. Karl Menninger, psiquiatra americano, acreditava que “Os amigos que nos escutam são aqueles a quem procuramos e de quem queremos ficar perto”.  Se um relacionamento é importante para nós, é sensato lembrar que a diferença entre alguém se sentir á vontade conosco ou nos evitar depende da nossa disposição de ouvir.
Dr. Paul Tournier, o eminente psiquiatra e autor suíço, referiu-se da seguinte maneira a essa necessidade universal. “É impossível”, disse ele, “enfatizar demais a imensa necessidade que os seres humanos têm de serem ouvidos, de serem levados a sério, de serem compreendidos. Ninguém pode se desenvolver livremente neste mundo e sentir-se realizado sem ser totalmente compreendido pelo menos por uma pessoa... Preste atenção às conversas que acontece no mundo, tanto entre os países quanto entre casais. Elas são, em sua maior parte, diálogos entre surdos”.
Suas palavras me condenaram. Elas geralmente fazem isso..., mas essas me acertaram profundamente. Porque alcançaram uma área de fraqueza em minha própria vida. Não uma fraqueza visível; mas uma muito bem escondida. Mas há algum tempo comecei a perceber que precisava aprender a dominar uma matéria muito mais difícil do que falar..., que exige uma habilidade enorme.
Ouvir.
Não estou dizendo somente escutar. Ficar sorrindo e consentindo enquanto a boca de alguém se move. Meramente ficar quieto até que chegue a “sua vez” de dizer algo. Todos nós somos bons nesse jogo – jogado na vida social,
Diálogos de surdos! Os sons saem das cordas vocais: ruídos guturais são transformados em palavras por línguas e lábios. Mas tão pouco se ouve – quero dizer, realmente se ouve. Como Samuel Butler, eminente poeta e catedrático inglês, disse uma vez: “São necessárias duas pessoas para dizer algo – a que fala e a que ouve. Uma é tão importante quanto a outra”.
Li sobre um homem que desceu do metrô de Washington, D.C., na estação L’Enfant Plaza, e pôs-se junto à parede, perto de uma lixeira. Ele vestia uma camiseta de mangas longas, calça jeans, e um boné do time de beisebol Washington National. Tirou um violino de um estojo comum, deixou o estojo aberto no chão, pôs dentro dele alguns dólares e começou a tocar.
O trânsito matinal de pedestres era pesado, e muitos se apressavam para o trabalho; provavelmente funcionários do governo. L’Enfante Plaza fica no meio de Washington federal. A maioria das pessoas eram burocratas: consultores, gerentes de projetos e especialistas.
Durante 43 minutos, ele tocou seis peças clássicas. Nesse breve tempo, 1097 pessoas passaram por ele. A sua música não foi notada; poucos pararam. O trabalho e o dia estavam-lhes à mente. Preocupações com tarefas, desafios ou oportunidades têm um modo de ocupar-nos o foco.
Algumas das pessoas podem ter apreciado por um curto instante o som preciso e perfeito do violino. Algumas devem ter-se irritado ou pensado: Por que este cara não arranja um trabalho de verdade, como todo mundo? Outros podem ter tido a rápida ideia de que este rapaz poderia ser realmente bom – caso se dedicasse um pouco a isto.
O Violinista parado junto à parede nua, enquanto centenas de pessoas passavam por ali, era Joshua Bell, de 39 anos, um dos músicos clássicos mais admirados do mundo, tocando algumas das mais refinadas peças já compostas, num Stradivarius de 3,5 milhões de dólares.
Gene Weingarten, o premiado jornalista do Washington Post, comentou: “Joshua Bell rotineiramente enche as salas de concertos em todo mundo. Mas quando transeuntes da hora do rush têm a oportunidade de ouvi-lo de graça, sequer fazem uma pausa para escutá-lo”.
O jornal Washington Post estava fazendo uma experiência, cujo tema era percepção e prioridades. (Gene Weingarten: “Pearls Before Breakfast”,Washington Post, 8 de abril, 2007, p. W10)

Para recarregar a bateria:
A preocupação diária e a nossa escolha em não ouvir aqueles à nossa volta podem fazer com que deixemos passar algumas pessoas – e oportunidades – especiais. O perigo de não ouvir pode estar na possibilidade de não atentar para algo crucial. Podemos não perceber uma ideia brilhante, não perceber um novo e maravilhoso talento, ou deixar escapar a solução que procurávamos.
Em que conversa fingíamos estar envolvidos, enquanto nos preocupávamos com os próprios pensamentos? Que momentos escolhemos ignorar, quando por um breve instante, poderíamos ter ganhado uma tremenda inspiração, ou descoberto uma pessoa? O que perdemos de nossos filhos, cônjuges, subordinados, chefes, ou amigos, por não estarmos ouvindo? Estar no topo pode levar-nos a não pensar em mais nada além de nós mesmos.
Há algum tempo assistia a um documentário sobre Paul Potts e como ele foi descoberto, fiquei emocionado. O documentário relatava que o programa de televisão “Britain’s Got Talent” estava procurando por alguém para representar a rainha no Royal Variety Performance. O vencedor receberia 250 mil libras.
Paul Potts (http://www.youtube.com/watch?v=iS-F0ZfSEUA),  um vendedor de celular no país de Gales, pisou humildemente no palco, usando um terno barato, um corte de cabelo ruim, e pouca expressão facial. Seu físico baixo e acima do peso causaram reações iniciais negativas na audiência. Simon Cowell, o jurado notoriamente crítico, e o imenso auditório olharam para o ousado candidato e, rapidamente, analisaram-no como um pretendente sem chance. Ninguém espera uma performance de qualidade.
Paul Potts havia passado por muitos problemas de saúde. Um apêndice supurado, um grande tumor na glândula suprarrenal, e uma clavícula quebrada numa queda de bicicleta – quando ia para o trabalho – fazia parte de sua maré de má sorte.
Fitando os olhos dos jurados, ele começou a cantar “Nessum Dorma”, tornada famosa por Luciano Pavarotti. A voz parecia surreal. O diapasão era perfeita. Imediatamente, todos passaram a escutar. O queixo de Simon Cowell caiu, os outros jurados olhavam abismados, e as lágrimas rolaram pela face deles. Seus corações achavam-se pasmos e profundamente comovidos.
Potts recebeu a ovação de um auditório de 2000 pessoas, que o aplaudiu de pé, no Cardiff’s Millennium Center, e o elogio do júri, que incluía o ex-editor de tabloide, Piers Morgan, e a atriz Amanda Holden.
Potts relatou: “Ouvi dizer que alguns dos ouvintes desfizeram-se em lágrimas, e que Amanda diz que os cabelos de sua nuca se se arrepiam quando ela se lembra”.
Algumas semanas mais tarde, diante de 13 milhões de espectadores, ele parecia um pouco diferente. As pessoas disseram que passaram a ver e ouvir Paul Potts com olhos e ouvidos diferentes. Agora, enxergam-no além da aparência, roupa ou corte de cabelo, etc., e ouvem apenas a ele. Ele roubou a cena, e naquela noite ganhou todo dinheiro. Sua vida foi para sempre mudada.
Quantos Paul Potts existem por aí? Demasiadamente rápido, analisamos as pessoas por sua estatura, vestimenta, raça ou renda.
Estamos ouvindo aqueles á nossa volta? As pessoas geralmente se comunicam sem palavras. Os membros de nossa família sinalizam o tempo todo. Nossos subordinados, chefes, colegas de trabalho, professores e alunos acham-se continuamente em comunicação.
Ouvir significa ler a linguagem corporal, escutar as palavras e os tons da voz, e usar a intuição. Todos nós possuímos um “terceiro ouvido”, que escuta a comunicação, concentrando-se em mais que simplesmente palavras. Se formos cuidadosos no prestar atenção entenderemos com grande acurácia o que os outros estão realmente dizendo, ou tentando dizer.
Dois ouvidos. Dois olhos e somente uma boca. Talvez isso nos mostre alguma coisa. Eu desafio você a tentar, junto comigo, ser um ouvinte melhor. Com seu cônjuge. Seus amigos. Seus filhos. Seu chefe. Seu Professor. Seus alunos, enfim...  Todo aquele que precisar de atenção.


Postagens mais visitadas